Representante

Juliete Araújo: a voz feminina do Trem do Forró

Única forrozeira a tocar nos vagões, neste ano, ela se orgulha em ser representante feminina do forró pé de serra

por Paula Brasileiro
Em sua segunda participação no Trem, Juliete demonstra estar bem à vontade em um meio majoritariamente masculino
Júlio Gomes/LeiaJáImagens | Em sua segunda participação no Trem, Juliete demonstra estar bem à vontade em um meio majoritariamente masculino

No ano em que completa 28 edições, o Trem do Forró viaja até o Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife (RMR), com a promessa de não deixar ninguém parado durante o trajeto. São 10 vagões, cada um com um trio de forró pé de serra para animar os viajantes. Em 2018, apenas um desses trios conta com uma presença feminina, a cantora garanhuense Juliete Araujo.

Em sua segunda participação no Trem, Juliete demonstra estar bem à vontade em um meio majoritariamente masculino. “Raro, né, uma mulher?”, ela própria comenta, mas completa: “É um privilégio para mim ser uma mulher no forró pé de serra levando a cultura do nosso Pernambuco”. Ela conta que enfrenta bastante assédio, mas com sua música e desenvoltura acaba desviando das situações mais constrangedoras. “O público me aceita de um jeito diferente, mas me aceita como uma mulher do forró”.

Nesta edição do Trem, Juliete canta junto ao Trio Umbuzeiro. Ela espera reviver toda a animação que teve em 2016, quando se apresentou pela primeira vez na viagem: “Foi de outro mundo. Aquela alegria, aquela emoção do pessoal que entra no Trem para fazer a brincadeira”. A forrozeira também aproveita a oportunidade para divulgar o seu primeiro disco, Nosso Forró é Assim, com composições próprias e de grandes nomes do forró como Anastacia, Zé Dantas e Luiz Gonzaga.  
 

Comentários